sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Annie Leibovitz

video

Blitz lança livro de fotografias da autoria de Rita Carmo

A revista Blitz edita o livro de fotografia Portugal XXI - Imgns de Sons Portugueses - da autoria da fotógrafa Rita Carmo. O livro tem 64 páginas de retratos de artistas portugueses fotografados em locais simbólicos de Portugal. Entre os músicos, destacam-se Manuela Azevedo, Camané, The Gift, Sérgio Godinho, Maria João, Jorge Palma, DJ Vibe e Xutos & Pontapés.
O Livro está disponível a partir de hoje com a Blitz.

Walker Evans (1903-1975)

Walker Evans é considerado um dos mestres da fotografia documental norte-americana. Durante a década de 30 registou a pobreza, a fome e as migrações nos Estados Unidos da América.
Walker Evans nasceu em 1903 em Saint Louis, E.U.A. Nos anos 20 descobriu a sua paixão pela fotografia.
Em 1935, ao serviço da F.S.A. (Farm Security Administration), realizou trabalhos fotográficos sobre a condição camponesa durante a Grande Depressão de 1929, retratando a miséria e pobreza em que viviam. Depois de concluir a reportagem fotográfica saiu da F.S.A. e começou a trabalhar para a revista Fortune, onde documentou as condições de vida das famílias pobres no Albama.
Durante mais de 46 anos Evans realizou documentários fotográficos sobre a América e as suas mudanças. A sua obra é composta por dois períodos: um é caracterizado pelo retrato da comunidade agrícola norte-americana; o outro está documentado no livro Let’s news praise famous men.

E.U.A, 1936, Walker Evans

terça-feira, 25 de novembro de 2008

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

David LaChappelle (1969 -)

David LaChapelle é um fotógrafo estadunidense, conhecido pelas suas imagens surreais, coloridas e irreverentes. As suas fotografias contam uma história imaginária, carregada de humor, ironia e surrealismo, representados por personagens irreais, com corpos brilhantes, poses e figuras perfeitamente esculpidas. As suas fotos raramente são espontâneas e, por detrás de qualquer trabalho existe uma elaboração prévia de todos os elementos a nível da cor, equilíbrio e composição.
David LaChapelle nasceu a 11 de Março de 1969 em Connecticut, E.U.A. estudou Belas Artes na North Carolina School of the Arts, na Student League e na School of Visual Arts.
O seu primeiro trabalho profissional como fotógrafo foi ao serviço da revista Interview. Desde então, já publicou imagens nas mais diversas revistas de moda, nomeadamente na Vogue e na Vanity Fair.
Dentro da publicidade, o seu currículo estende-se a marcas como L’Oreal, MTV ou Ford. Na filmografia estão incluídos vídeo-clips para músicos como Jennifer Lopez, Witney Houson, Elton John e Christina Aguilera.
Ao longo da sua carreira já publicou diversos livros: LaChapelle Land (1996), Hotel Lachappelle e If you want really, take the bus (2002).
Considerado um dos melhores fotógrafos surrealistas da actualidade, David LaChapelland tem vindo a ser galardoado com diversos prémios. Em 1996, venceu o prémio de fotógrafo do ano nos VH1 Fashion Awards, em 2000, o de melhor vídeo-clip por Natural Blues, do Moby, na MTV Europe Music Awards, entre outros.

Vogue, 2005, David LaChappelle

Pamela Anderson, Have it Your Way, David LaChapelle


Small Parts, French Vogue, David LaChapelle

Madonna, Heaven to Hell: Belezas e desastres, David LaChappelle


Milk Maidens:Damas de Leite, 1996, David LaChapelle

Angelina Jolie, Heaven to Hell: Belezas e desastres, David LaChappelle

Alexander McQueen and Isabella Blow:, Vanity Fair, March 1997, David LaChappelle

sábado, 22 de novembro de 2008

Uma imagem, uma história

Em 1950, próximo do Hotel de Ville, em Paris, o fotógrafo francês Robert Doisneau registou uma das imagens mais conhecidas de sempre. Um casal de jovens amantes troca um beijo apaixonado em plena rua de Paris, indiferentes ao que os rodeiam. Francoise Bornet e Jacques Carteaud são os protagonistas de um dos beijos mais célebres da história da fotografia. Na época, Robert Doisneau estava a fazer uma reportagem para a Life Magazine sobre jovens apaixonados em Paris.

Erich Salomon (1826 – 1944)

Erich Salomon foi o grande impulsionador do fotojornalismo moderno. Acompanhado de uma câmara fotográfica Ermonox, de pequeno formato, registou os grandes acontecimentos políticos nos anos 1920-1930.
Conhecido como o rei do indiscreto, Salomon captava personalidades do mundo político em conferências ou debates. Silencioso e rápido, implementou mudanças na prática da fotografia de imprensa ao registar de uma forma instantânea autoridades em gestos casuais.
Ah, Le Voila (1931) é uma das suas imagens mais conhecidas. A fotografia mostra o momento em que o Ministro Francês, Aristide Briand, nota a presença do fotógrafo durante um debate político do qual os jornalistas tinham sido excluídos.
Erich Salomon nasceu a 28 de Abril de 1886 em Berlim e faleceu em 1944 num campo de concentração de Auschwitz, durante a Segunda Guerra Mundial.

Ah, le voilà!, 1931, Erich Salomon

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Arquivo da Life no Google

O arquivo fotográfico da revista Life já está disponível no motor de busca de imagens do Google. Ao todo são mais de 10 milhões de imagens, 97 por cento das quais nunca foram vistas pelo cidadão comum.
No momento, apenas 20 por cento da colecção está acessível, mas nos próximos meses serão acrescentadas as restantes fotografias.
As imagens podem ser vistas em http://images.google.com/hosted/life

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Hippolyte Bayard (1801-1887)

Hippolyte Bayard é considerado um dos grandes inventores da fotografia. Em 1839, quando o daguerreótipo era ainda uma incógnita, Bayard desenvolveu um processo de obtenção de uma imagem fotográfica em positivo sobre papel.
Hippolyte Bayard nasceu em 1801 em Breteul-Sur-Noye, França. Funcionário no Ministério das Finanças, Hippolyte preocupou-se, desde cedo, com a criação de uma imagem fotográfica.
No final da década de 30 aperfeiçoou um processo de obtenção de uma imagem fotográfica sobre papel, idêntico ao usado actualmente em Polaroid.
Mais tarde, em 1867, empenhou-se na divulgação de novos processos de obtenção de imagens recorrendo a colódio sobre vidro, e começa a dedicar-se à impressão de trabalhos de outros fotógrafos. Paralelamente, à técnica e à inovação, as suas fotografias demonstram preocupações contextuais em temas como a arquitectura, o auto-retrato e a paisagem de Paris.
Grande parte da obra de Bayard está arquivada na Socété Franceise de Photographie, em Paris.

Fotografias de François-Marie Banier no Estoril Film Festival

O fotógrafo francês François-Marie Banier irá expor pela primeira vez em Portugal, a convite do Estoril Film Festival 08. De 14 a 22 de Novembro no Centro de Congressos do Estoril, estará patente ao público uma selecção dos seus trabalhos mais conhecidos.
Fotógrafo, pintor, escritor, actor, François -Marie Banier nasceu em Paris em 1947. Expôs individualmente pela primeira vez em 1991, no Centre Pompidou, em Paris, e desde então as suas fotografias têm viajado pela Europa, Estados Unidos, América do Sul e Ásia.
Com especial apelo pela figura humana, recorre frequentemente ao retrato de anónimos ou figuras públicas. Classificado como surpreendente e provocador, o seu trabalho é acompanhado, muitas vezes, por poemas ou frases.

domingo, 16 de novembro de 2008

Alexander Gardner (1821 – 1882)

Alexander Gardner ficou conhecido pelas suas fotografias da Guerra Civil e pelos seus retratos do presidente americano Abrahan Lincoln.
Alexander Gardner nasceu em Paisley, Escócia, em 1821. Abandonou a escola aos14 anos e tornou-se aprendiz de joalheiro.
Em 1850 viaja para os Estados Unidos da América com o irmão e um grupo de amigos. Juntos adquirem terrenos e estabelecem uma cooperativa comunitária no Iowa.
Mais tarde, regressa à Escócia, onde adquire o jornal Glasgow Sentinel. A partir desse momento inicia a sua carreira como repórter e depois como editor e fotógrafo.
Em 1856 muda-se para Nova Iorque, onde começa a trabalhar com o fotógrafo Matthew Brady, na área do retrato. Com o início da Guerra Civil Americana as suas fotografias mudam de abordagem. É nesta época que Gardner produziu uma das suas imagens mais famosas, a do presidente norte-americano Abrahan Lincoln em pleno campo de batalha.
Em 1862, após a Guerra abre a sua própria galeria em Washington. Quatro anos mais tarde, publica dois livros que reúnem cerca de 100 fotografias sobre a Guerra Civil.
Alexander Gardner faleceu em Washington em 1882.

Abrahan Lincoln, 1863, Alexander Gardner

Allan Pinkerton, President Abraham Lincoln, and Maj. Gen. John A. McClernand at Antitem, Maryland, 1862, Alexander Gardner

Julia Margaret Cameron

video

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Selva Urbana em exposição no Terreiro do Paço

O Terreiro do Paço, em Lisboa, vai receber a partir de amanhã uma exposição com as 50 melhores fotografias do concurso Metro Global Photo Challenge.
Entre 13 e 31 de Outubro, mais de 55 mil pessoas de 20 países enviaram os seus trabalhos inseridos no tema Selva Urbana.
As 50 fotografias mais votadas, 10 das quais portuguesas, vão ficarão expostas na Praça do Comércio até 31 de Dezembro.

Robert Frank (1924 - )

Robert Frank nasceu em Zurique, na Suíça, em 1924. No final dos anos 40 emigrou para os Estados Unidos, onde colaborou como fotojornalista e fotógrafo de moda para as revistas Life, Look e Harper’s Bazaar. Na década de 50 realizou diversas viagens pelo continente americano e europeu, documentando a realidade dos diferentes povos.
Em 1955 recebeu uma bolsa da Fundação Guggenheim, que traduziria no lançamento do livro The Americans, em 1958.
No final da década de 50 começou a dedicar-se ao cinema. Me and my brother, About me: a Musical, Energy and how to get it, e Home Improvements foram alguns dos seus projectos.
Após uma breve passagem pelo audiovisual dedica-se à fotomontagem e à fotografia instantânea. Actualmente Robert Frank vive na Nova Escócia, no Canadá, onde mantém a sua actividade como fotógrafo.

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Calendário Lavazza 2009

A marca de cafés italiana Lavazza já imprimiu o seu famoso calendário para o próximo ano. A produção ficou a cargo da fotógrafa norte-americana Annie Leibovitz.
A foto de abertura do calendário foi inspirada em Veneza, a cidade do Carnaval e dos canais. O modelo usa uma máscara veneziana na forma de uma taça de café.
Os meses de Janeiro e Fevereiro são representados pela loba que amamentou Rómulo e Remo, os lendários fundadores de Roma.
Para Março e Abril foi escolhido um atelier de moda como location; Dolce & Gabbana pôs alguns dos seus trabalhos de moda à disposição.
O Homem Vitruviano de Leonardo Da Vinci serviu de inspiração para os dois meses seguintes.
Julho e Agosto são ilustrados por um par amoroso, numa ponte sobre o rio Tibre, tendo cada um na mão uma taça de café.
Nos meses de Setembro e Outubro uma beldade mergulha num prato de pasta.
Para os dois últimos meses do ano foi escolhida uma cena do filme de Fellini “La Dolce Vita” com Anita Ekberg no fontanário Trevi.




http://www.lavazza2009.com/

Epson organiza concurso de fotografia

A marca de impressoras Epson está a organizar o II Concurso de Fotografia Digital. Podem concorrer todos os fotógrafos amadores e profissionais com residência em Espanha ou Portugal.
Cada concorrente deve submeter no máximo três trabalhos a cores ou a preto e branco no site da Epson até ao dia 8 de Dezembro. As obras são de tema livre.
Para mais informações: www.epson.es
www.epson.pt

sábado, 8 de novembro de 2008

Os souvenirs mais famosos do mundo

O fotógrafo inglês Michael Hughes, de 56 anos, fotografa recordações baratas a substituir os monumentos mais conhecidos. Postais, copos e brinquedos são alguns dos objectos utilizados para sobrepor os símbolos mundiais.
Ao todo são mais de 100 fotografias, que ilustram locais e monumentos de todos os continentes.
A primeira imagem surgiu na margem do rio Reno, na Alemanha, em 1999. Enquanto realizava uma reportagem para um jornal finlandês, Hughes reparou que o postal que trazia no bolso era idêntico ao sítio onde se encontrava. Decidiu colocar o objecto em frente da paisagem e fotografou-o. Posteriormente, seguiu-se a Estátua da Liberdade. O fotógrafo estava a beber café quando reparou que tinha o desenho do monumento no copo.
A ideia, que já passou a livro ("Souvenirs"), valeu-lhe mais de 5 milhões de visitas na sua página do Flick, o mais importante site de partilha de fotografias, e à publicação das imagens na National Geographic Magazine.



http://www.flickr.com/photos/michael_hughes/

Steve McCurry

video

terça-feira, 4 de novembro de 2008

Chico Albuquerque (1917 - 2000)

Chico Albuquerque foi o primeiro fotógrafo brasileiro a produzir uma campanha publicitária.
Chico Albuquerque nasceu a 26 de Abril de 1917 em Fortaleza, Brasil. Filho de um casal de fotógrafos, teve o primeiro contacto com a fotografia aos quinze anos, ao fazer um documentário numa curta-metragem.
Na década de 40 mudou-se para São Paulo, onde abriu o seu próprio estúdio de fotografia em 1945. Membro do Foto Cine Clube, participou no movimento Fotoclubismo.
Em 1948 tornou-se no primeiro fotógrafo brasileiro a produzir uma campanha publicitária. Chico Albuquerque conseguiu substituir ilustrações e desenhos por imagens reais num produto da Johnson & Johnson, assinado pela agência J. W. Thompson.
Ao longo da sua carreira participou em diversas exposições e, o seu trabalho, foi prestigiado em Frankfurt, Turim e Buenos Aires.
Chico Albuquerque faleceu a 26 de Dezembro de 2000.

Desportos em imagens

Palm Springs, FL, US, 1940, Peter Stackpole

New York, 1948, Gjon Mili

Ann Ross, US, 1942, Gordon Coster

CA, US, 1961, Allan Grant

Bartlesville, US, 1947, Cornell Capa

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Fazer arte com a comida

O fotógrafo britânico Carl Warner, de 44 anos, utiliza alimentos comuns para compor paisagens. O açúcar é usado para fazer quedas de agua, o queijo para esculpir casas, os cogumelos assemelham-se a árvores e a couve-flor a nuvens.








http://www.carlwarner.com/

CM Borba organiza concurso de fotografia

A Câmara Municipal de Borba está a organizar um Concurso de Fotografia Digital no âmbito da Festa da Vinha e do Vinho, que se realiza entre os dias 8 e 16 de Novembro.
Cada participante pode concorrer com um máximo de cinco fotografias, inseridas no tema Borba e Vinho. As imagens têm de ser captadas durante a Festa.
Os trabalhos devem ser entregues até ao dia 16 de Novembro junto da organização.
Para mais informações: http://www.cm-borba.pt

sábado, 1 de novembro de 2008

James Nachtwey (1928 - )

James Nachtwey é considerado um dos melhores fotojornalistas de guerra da actualidade. Nos últimos anos cobriu os conflitos armados mais dramáticos do mundo.
James Nachtwey nasceu em 1948 em Nova Iorque. Na década de 60 estudou História da Arte e Ciências Políticas no Dartmouth College, em Massachusetts. Mais tarde, embarcou no navio da Marinha Mercante para aprender a fotografar. Em 1976 arranjou emprego como fotógrafo num jornal no Novo México e, em 1880 mudou-se para Nova Iorque, onde começou a trabalhar como freelancer.
O seu primeiro trabalho a nível internacional foi a cobertura do movimento civil na Irlanda do Norte em 1981, durante a greve de fome do IRA (Exército Republicano Irlandês). Desde então, tem-se dedicado a documentar guerras, conflitos e situações precárias.
Ao longo da sua carreira já realizou trabalhos em todos os pontos do continente, em Ruanda, na Somália, em Nicarágua, em Israel, no Líbano, no Sudão, no Kosovo…
Desde 1984 trabalha para a revista Time. Esteve associado à Blackstar e, entre 1980 e 1985, fez parte da agência Magnum de 1986 a 2001 e foi um dos fundadores da agência de fotografia VII.
Ao longo da sua carreira recebeu diversos prémios, nomeadamente o World Press Photo Award (duas vezes), o Magazine Photographer of the Year (sete vezes), o International Center of Photography Infinity Award (três vezes) e o Leica Award (duas vezes).

Iraque, 2003. James Nachtwey

Ruanda, 1994, James Nachtwey

Afeganistão, 1996, James Nachtwey

http://www.jamesnachtwey.com/

Uma imagem, uma história

Guerrillero Heróico, o retrato de Che Guevana, é uma das imagens mais conhecidas da história da fotografia. Realizada a 5 de Março de 1960, pelo fotógrafo cubano, Alberto Korda, tornou-se num ícone mundial. Em 1960, ao serviço do diário Revolución, Alberto Korda retratou Che Guevana durante o funeral das vítimas da explosão do navio Coubre, no Porto de Havana.

Guerrelheiro Heróico, 1960, Alberto Korda